O que é restrição interna?

2612_A

A restrição cadastral interna é realizada pelas instituições financeiras aos consumidores que deixaram de quitar seus débitos apropriadamente, mas essa restrição não é divulgada às demais empresas. Assim, ela nada mais é do que um impedimento interno para obtenção de mais crédito no mercado financeiro ou obtenção de novos produtos ou serviços, em razão do consumidor ser considerado um “mau pagador”.

Perceba que essa restrição não possui relação com as anotações nos órgãos de restrição ao crédito (SPC, SERASA, etc.), considerando apenas o fato de ter havido quitação em atraso de empréstimos e dívidas anteriormente negociadas, o que impede o consumidor de realizar novas transações, dentre outros benefícios.

Qual a diferença entre restrição interna e SPC

É muito comum as pessoas relacionarem a restrição interna com os órgãos de proteção ao crédito, mas a restrição interna consiste em Continue reading…

Negociação amigável ou indenização por danos morais? Conheça a Súmula 385 do STJ

1912_A

Você já ouviu falar da Súmula 385 do STJ? Ela é muito relevante para quem está negativado injustamente em órgãos de proteção ao crédito (SPC, Serasa, etc.) e pretende acionar a justiça.

A Súmula 385 diz o seguinte: “Da anotação irregular em cadastro de proteção ao crédito, não cabe indenização por dano moral, quando preexistente legítima inscrição, ressalvando o direito ao cancelamento”.

Isso significa que, aquelas pessoas cujos nomes já se encontram regularmente inscritas em tais cadastros em virtude de outras inadimplências, não podem alegar danos morais causados pela inscrição indevida, uma vez que Continue reading…

Perguntas Frequentes: cheques pré-datado e sem fundo

Perguntas Frequentes: cheque pré-datado e sem fundo

Você tem dúvidas sobre cheque pré-datado e cheque sem fundo? Quem sabe com essa postagem as suas dúvidas acabam:

Passei um cheque pré-datado que tive o cuidado de colocar nominal. Mesmo assim, ele foi depositado por outra pessoa antes do prazo. Isso pode? Os cheques, mesmo nominais, podem ser transferidos a outras pessoas por endosso (quando são assinados no verso). Para que o cheque seja recebido exclusivamente pelo favorecido, o emitente tem que torná-lo nominal não à ordem, escrevendo, após o nome do beneficiário, Continue reading…

A importância de ser um "bom pagador": o Cadastro Positivo

SPC Brasil estima 40 milhões de consumidores inscritos no Cadastro Positivo até final de 2014

Ser um “bom pagador” tem várias vantagens, e agora até o SPC beneficia quem paga tudinho e nas datas sempre corretas. Quem diria que ter o nome no SPC iria virar sinônimo de coisa positiva. O responsável por essa mudança de paradigma é o Cadastro Positivo, que vai listar o histórico dos bons pagadores para oferecer melhores condições de crédito a juro baixo. A estimativa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) é que até o final de 2014 pelo menos 40 milhões de consumidores já tenham aderido ao novo sistema.

Desde o início deste ano, o SPC Brasil já realiza a captação de adesões de interessados. A inscrição é voluntária e gratuita. Caso o consumidor não queira mais fazer parte da lista, ele pode pedir a remoção de seu nome a qualquer momento. Continue reading…

Regras para uso do cartão de crédito

cartaocredito-01

Qualquer pessoa com conta em banco pode ter um cartão de crédito. De acordo com a renda de cada um, é estipulado um limite de crédito. Assim, dentro do mês, o usuário do cartão tem um valor máximo que pode gastar.

Taxas
Anuidade – é uma taxa paga por cartão de crédito. Os bancos dividem essa cobrança ao longo do ano.
Juros – os juros são cobrados dos clientes que não pagam totalmente o valor da fatura (é o chamado crédito rotativo). Os juros são definidos pela instituição financeira e cobrados sobre a quantia que deixou de ser paga. Por exemplo, se o valor da fatura é de R$ 200,00 e a pessoa paga apenas R$ 150,00, os juros serão cobrados sobre os R$ 50,00 restantes. Continue reading…

SPC e Serasa: como funcionam os órgãos de proteção ao crédito

SCP e Serasa

Para minimizar os riscos e dar mais confiabilidade em operações de crédito, é que foi criado o Serviço de Proteção ao Crédito. Agora você vai entender um pouquinho melhor como isso acontece:

Os órgãos de proteção ao crédito funcionam como obstáculos para pessoas que estão inadimplentes com suas obrigações, ou seja, eles mantêm em seu banco de dados a relação dos denominados “maus pagadores”, possibilitando o acesso a tais informações pelas empresas interessadas. Mas é importante lembrar que, de acordo com o art. 43, §2º do Código de Defesa do Consumidor, antes de tornar pública a inscrição de um nome, o devedor deverá ser devidamente notificado pelos órgãos de proteção ao crédito, a fim de possibilitar a regularização da pendência, evitando a publicidade indesejável da inscrição.  Continue reading…

Compras inteligentes e planilha de gastos (disponível para download) para evitar dívidas

SPC

Para fazer o dinheiro render e fugir das dívidas, é importante planejamento. Adquirir algo sem levar em consideração a necessidade de obtê-lo pode, no mínimo, impedir aplicações mais rentáveis. Mas também é o caminho para uma situação de endividamento ou, se já houver dívidas, agravá-las.

Um modo de evitar essas situações incômodas é pagar todas as suas contas em dia para evitar futuras dívidas, segurar o instinto consumista, não compras por impulso e desenvolver um método de compra inteligente. Continue reading…

Dívidas e excesso de financiamentos

Divida e Excesso de financiamento

Uma das definições de juros o descreve como “um valor que se paga para ter o privilégio de usar o dinheiro de outra pessoa”. No caso de um empréstimo ou de um financiamento, além do valor da operação, existe a importância paga para que aquele produto ou serviço seja disponibilizado mais rapidamente. O custo disso, dependendo da operação, pode ser quase duas vezes o valor original do que foi adquirido.

Os juros estão presentes ao se financiar o valor total do cartão de crédito, ao efetuar uma retirada no limite disponível pelo cheque especial, ao parcelar uma mercadoria na loja ou supermercado, ou ao fazer um empréstimo. Continue reading…